quinta-feira, 6 de março de 2014

Cada um educa de acordo com aquilo que vê


"Eu sou do tamanho do que vejo e não do tamanho da minha altura"
F.Pessoa

Este texto responde a um desafio (nada melhor para me sacudir a preguiça) a que não pude dizer não. Nada tenho contra o Henrique Monteiro, que não conheço, e se quiserem interpretar isto como uma resposta, que o façam, porque eu tenho direito de responder quando me esfregam idiotices na cara enquanto fazem ares de doutorais. O meu principal pecado é este mesmo, responder a insultos que não poderiam ser outra coisa, porque ao ser rasteiro não se revela o horizonte.

Que me perdoe o Henrique Monteiro pela minha cobardia ao atacar os fracos, que me perdoem os restantes pela minha sinceridade.

O drama do Henrique Monteiro ao publicar este texto (http://expresso.sapo.pt/deixarei-a-minha-filha-estudar-humanidades=f859419) no Expresso parece ser ser a contradição entre as potenciais contradições entre a vocação da sua filha e as perspectivas de futuro dos licenciados em letras, aproveitando para malhar numa geração de piegas preguiçosos que (como ele) foram para letras para fugir à matemática. Tudo embrulhado numa pseudo-análise geo-política que contrasta as prioridades do Obama como as exigências feitas aos petizes indianos. Desta salada meta-analítica conclui o Henrique Monteiro que será firme e exigente com o seu rebento e que não fará condescendências aos vícios da juvenil Monteirinha.
É um valente, este Monteiro pai e o fato assentar-lhe ia bem se o plebeu em causa não fosse nu!
O valente e firme Monteiro pai é o mesmo que há uns dias nos esclareceu o que agora omite: ele não tem mais filhos por que gastou tudo com a primeiro/a (http://expresso.sapo.pt/nao-temos-mais-filhos-porque-gastamos-tudo-no-primeiro=f858356#ixzz2vBHBq2KD) e que a culpa da baixa natalidade é do despesismo familiar com o primeiro filho: “ele é actividades extracurriculares, ele é festas temáticas, ele é festas com palhaços, ele é playstation, ipad, computador portátil e telemóvel, ele é viagens de finalistas para quem acaba quarta classe, ciclo e secundário, ele é gastar dinheiro nos três milhões de festivais de verão, ele é o carro aos 18, com turbo, papá, por favor, com turbo e bufadeira

O drama do Monteiro pai ao antecipar a tensão entre as vocações da sua filha e as perspectivas de futuro dos licenciados em letras, é um drama de cordel, vivido num condomínio de luxo duma qualquer urbanização moderna, com porteiro e jardim, onde o Monteiro pai vive com os seus dois umbigos. O umbigo dele e o umbigo que ele comprou para a sua filha. Quem diz umbigos diz consciências, porque quem não as tem compra-as, que na internet dos IPad’s tudo se vende, tudo se compra.

Se o Monteiro pai tivesse consciência própria e menos necessidade de encher o Expresso com postas de pescada ultracongeladas nº5 do Chile em embalagens douradas de marca fina, poderia ter noção do que é o resto do país em que cresceu, e perceber que há quem não tenha filhos porque o dinheiro falta para por pão na mesa, poderia perceber que o drama da maioria dos portugueses não está na escolha do curso superior dos seus filhos mas sim na forma de os conseguir manter na escola quando os salários diminuem, o passe aumenta, os apoios sociais desaparecem, as escolas fecham e os professores deixam de ter autonomia e força anímica para combater um sistema que os obriga a transformar o que resta da escola em fabricas de marranço.


O Henrique Monteiro foi para letras porque terá tido medo da matemática. Por preguiça, segundo a sua interpretação, e isso condenou-o a uma vida difícil (!!!). A vida difícil do Henrique Monteiro continua a ser receber um ordenado por escrever baboseiras que um qualquer editor tão idiota e preguiçoso como ele insiste em publicar num jornal de referência. Pobre Monteiro na terra, que o céu aos pobres de espírito pertence.

Cada um educa de acordo com o que conhece, cada um sonha de acordo com o que vive. Que os Henriques Monteiros deste mundo me recordem constantemente que educar não é ser nos meus filhos o que não fui na minha vida, mas ser com os meus filhos o que sonhei ser hoje.

Sem comentários:

Publicar um comentário